BEM-VINDO


SÊ BEM-VINDO A ESTE BLOGUE!

Tens aqui um espaço, onde poderás falar de livros, leituras, escrita e...

Poderás participar escrevendo um comentário ou enviando trabalhos, desenhos, sugestões, fotos... para o seguinte email:

beescolaeb23jacintocorreia@gmail.com

O TESOURO

O TESOURO


Descobri um tesouro
que tem a linguagem das nítidas brisas
e vogais espantadas nos olhos das crianças
porque há palavras que são apenas sentimentos

Descobri um tesouro
que escuta o silêncio nas asas de borboletas acabadas
e orações divididas pelo estuário de nós
porque há uma janela suave na brevidade da euforia assustada

Descobri um tesouro
que conjuga os instantes no sorriso das estrelas
e sílabas que morrem com sede de um fragmento de lua
porque há olhos que se misturam na solidão de um verbo imperfeito

Descobri um tesouro
encostado nos ombros da claridade
que pulsa na brancura de um página triste
e a manhã exibe a praia onde florescem rosas
abertas num barco sem cais

Descobri um tesouro
onde dormem todos os sonhos que cabem num gesto
e acendem os céus onde respiramos a ausência

Descobri um tesouro
quando abracei um livro grávido de ternura,
nas mãos ávidas de todos os poentes.
Prof. João Nunes

Ah, como é bom ir à biblioteca!


Aqui está o convite para uma viagem - uma viagem com os livros, os filmes e a música, o multimédia e a internet. O cais de embarque está bem pertinho, na biblioteca da escola, na biblioteca pública.
Escolham o que mais vos agradar e partam à aventura.  Descubram as maravilhas do mundo real e do mundo da fantasia. Aprendam e sonhem. Divirtam-se, divirtam-se muito!
Ah, como é bom viajar assim, faça sol ou faça chuva, haja ou não haja dinheiro na algibeira para gastar.
Ah, como é bom ir à biblioteca!
Luisa Ducla Soares


POEMA

                               
                                Livros 

                     Os livros são amigos,
                     Valiosos diamantes,
                     Tesouros escondidos,
                     Estrelas cintilantes.

                     Cuida deles com paixão,
                     Carinho e amor,
                     Pois eles têm coração
                     E como tal sentem a dor.

Letícia Thomaz

MOMENTO DE POESIA

Cansaço
O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.
Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimno, íssimo, íssimo,
Cansaço...
Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

Retrato de Fernando Pessoa.
1954, óleo sobre tela, 2010 x 2010 mm
Museu da Cidade, Lisboa, Portugal
             Quadro de Almada Negreiros (1893-1970), pintado para o restaurante Irmãos Unidos

AS BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO

Apresentamos um pequeno filme , sobre o trabalho desenvolvido pelas Bibliotecas Escolares,  realizado para ser projectado no Arraial de Final de Ano do Agrupamento ESPAMOL.
video

Rap da Escola 100%

Clica na hiperligação seguinte e aprecia o espectacular rap escrito e cantado pela turma 5º A. Este trabalho foi realizado na Área de projecto, em colaboração com a Biblioteca Escolar.

Rap da Escola 100%

O NOSSO VERIANO É O MAIOR!

Sodade de Veriano

O Veriano é agora aluno da E.B.2,3 Jacinto Correia, mas continua a ter lugar no nosso coração. Ei-lo aqui ao lado do urso que os meninos do JI de Porches pintaram na Quinta dos Vales.

As Viagens do Senhor Desquecido

Apresentamos o livro realizado pela turma 6ºA, em Área de Projecto, sob orientação das professoras Ana Viegas e Graça Mendes.
Divirtam-se com a leitura de " As Viagens do Senhor Desquecido".

Barbara-Marie Mundt na nossa Biblioteca

No dia passado dia 29 de Abril, a escritora alemã Barbara-Marie Mundt, acompanhada pela sua cadela Jóia,  veio à nossa Biblioteca para se encontrar com os alunos do 7ºAno de Alemão.
Os alunos tiveram oportunidade de colocar algumas perguntas à autora e foi feita a leitura, em Português, Inglês e Alemão, do livro Isabella - um pequeno Cão de água Português.
Foi um encontro muito interessante. Todos adoraram a Barbara e a Jóia. 

Dia Mundial da Poesia - Ser Poeta

Ser Poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendos
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

(Florbela Espanca, «Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)


Um Poema por Semana

Hoje, 21 de Março, Dia Mundial da Poesia, estreia na RTP2 o programa Um Poema por Semana, uma ideia de Paula Moura Guedes.
Durante a semana, o mesmo poema será dito por cinco pessoas diferentes, que têm em comum o gosto pela poesia.
Serão ditos poemas de  Sophia de Mello Breyner Andresen, Cesário Verde, Ruy Belo, Fernando Pessoa, Miguel Torga, Sá de Miranda, António Nobre, Alexandre O'Neill, Luís Vaz de Camões, Jorge de Sena, José Régio, António Gedeão, David Mourão-Ferreira,  Eugénio de Andrade, Mário Cesariny (a escolha dos poemas é de José Carlos de Vasconcelos.

19 de Março - DIA DO PAI


PAI

Pai,
vens com os olhos cansados,
os dedos gretados,
os pés doridos,
os sonhos moídos.
Onde colheste o sorriso
que me dás 
como uma flor?

Luísa Ducla Soares, “Poemas da mentira e da verdade”